13 de jul de 2017

Não posso controlar o que sinto, mas posso entregar o que sinto a Deus!


Queridas, esse texto não é meu, mas poderia. Há muito tempo, aprendi uma oração de "entrega", uma entrega que pode ser difícil ou fácil, isso vai depender da intensidade com que estamos sentindo. O coração às vezes não aguenta o tranco, não é mesmo?! O desejo de controle nasce da necessidade de garantir que não vamos nos machucar, de nos proteger, resguardar, do medo da rejeição, da exposição, da fraqueza. O desejo de poder controlar aquilo que pode me desestabilizar.


Nós, mulheres, somos intensas: todos os sentimentos, sentimos em dobro; as emoções, vivemos em cores. Isso significa que pode fugir do nosso controle sentimentos que nos sufocam: tristezas, perdas, ansiedades, depressão, carência, afetos mal ordenados, enfim, tantas e tantas coisas. Isso é humano. Então, o conselho que recebi era, em suma, o mesmo que Shakespeare diz em seu soneto de "Eu aprendi que...", bem, ele diz assim: "(...) Não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito!"


E se... escolhermos entregá-los a Deus?
Deus é capaz de acalmar um coração atribulado


"Eu quis ter o total controle das minhas emoções e sentimentos. mas aí é que está, eu não posso controlá-los. Posso controlar o que faço, mas não o que sinto. Talvez seja por isso que grande parte das vezes em que sinto algo que não desejo sentir e me esforço para reprimir, como a ansiedade e até mesmo o medo do novo, as coisas começam a desandar.


“Existe o momento certo para tudo, você é humana e precisa sentir. não reprima, só sinta e viva”, foi praticamente isso o que uma amiga me disse. Tudo bem, eu posso não controlar o que sinto, mas posso entregar o que sinto a Deus. E é isso o que tenho feito. O meu coração é complicado, afobado, teimoso (muitas vezes) e extremamente entregue ao que sente. Não sei, de fato, se isso é bom ou ruim, só sei que é preciso equilíbrio e sem Deus não sou capaz de conseguir isso.

É na ansiedade e em outros momentos não agradáveis que Ele precisa se aproximar e dizer: “Se acalma, não precisa disso”, e o coração se acalma. Se acalma porque sabe reconhecer a voz de quem o cuida. Eu tenho aprendido mais sobre a paciência e confiança porque Deus está me ensinado.

Ainda tenho muito o que aprender. E quer saber? Estou no lugar certo. Estou com Ele, estou onde devo estar."




(via: Alma com Flores)

Nenhum comentário:

Postar um comentário